sexta-feira, 11 de julho de 2014

VALORIZAR O CONTEÚDO, PARA TER O QUE ENTREGAR


Se você tem criatividade, iniciativa, gosta de fazer acontecer, agora tem mais um motivo para comemorar. A Suprema Corte Americana proclamou uma decisão, há poucas semanas, que consagra o direito dos criadores de conteúdo receberem pelo que produzem. Na prática, o que se viu foi a "Bald Eagle" - a águia de cabeça branca, símbolo dos Estados Unidos - cortando as asinhas de uma startup que se proclamava autora de uma nova tecnologia.

Se você mora no Brasil, vai ter alguma dificuldade para entender a história toda. É que o sistema brasileiro de TV é mais avançado e os modelos de negócio no setor também são mais práticos e eficientes. Lá, nos Estados Unidos, a televisão arrasta um passivo tecnológico dos tempos em que o sinal de TV por radiodifusão ainda era sujeito a muitas interferências. Foi por isso que os americanos criaram a TV a cabo. Em princípio, garantiu apenas um sinal de alta qualidade para os assinantes. E, com o tempo, foi agregando melhorias, como a inclusão de vários canais opcionais, contratação de programação especial e outras vantagens. O hábito pegou e hoje oito, a cada dez lares americanos, contratam o sinal de TV por assinatura, via satélite ou cabo. Para eles é o melhor que podem fazer pelas 5 horas do dia em que se entregam a este lazer eletrônico. Uma recente pesquisa apurou que esse é o tempo, em média, que o adulto americano assiste à TV diariamente.

Qualquer pessoa há de convir que, ter o endereço dos olhos e ouvidos do consumidor mais poderoso do mundo, é uma oportunidade e tanto. Mesmo sabendo que só parte do cérebro também estará no mesmo lugar durante esse tempo. Mas, por incrível que pareça, quem não tem a exata consciência de quanto vale a própria audiência é o público americano. Ele paga para receber em casa, inclusive, muitos anúncios de empresas, que também pagam caro aos exibidores por esta presença comercial. É verdade que existe a opção, por vezes exercida, de não receber os comerciais. Mas também é verdade que o intervalo comercial é um detalhe que já faz parte do hábito de assistir à TV. Além de criativo é útil, os anúncios trazem informações, pelo menos nas primeiras exibições. Depois acabam se tornando oportunos pra esticar as pernas e pegar um copo de água na cozinha.

A questão é que essa sede insaciável de cobrar pelo sinal de TV levou a startup Aereo a inventar uma maneira de vender os canais de TV aberta, sim, os gratuitos. Ela gravava a programação das TVs abertas e deixava numa nuvem digital, assim, como quem não quer nada. Depois oferecia, por reles US$ 8,00/mês, a programação para assinantes, que poderiam conectar a nuvem de qualquer lugar. Para isso a empresa mantinha, em cada cidade que operava, um espaço onde ficavam as antenas dos assinantes, que captavam o sinal da nuvem e recebiam pela Internet. Ora, e o pagamento pela exibição pública dos conteúdos? "-Conteúdo!? Que conteúdo? Nós só alugamos antenas", disseram os donos da Aereo na Suprema Corte Americana. "-E para que servem as antenas afinal?", retrucaram os magistrados. "-Sei lá, o locatário é quem sabe, é ele quem escolhe se quer ver o que gravamos na nuvem ou não." O preocupante nessa história é que apenas 6, dos 9 juízes, condenaram a Aereo. Foi o suficiente para a empresa fechar as portas e devolver o dinheiro dos assinantes. Mas a gente fica pensando o que fez 3 juízes não gargalharem dos argumentos da startup.

Eis o grande contrassenso da humanidade! Nos últimos anos, desenvolver tecnologias de cópia é um negócio muito mais rentável do que desenvolver conteúdos. Só que é o bom conteúdo que convence, na forma em que for apresentado. É ele que atinge a essência da inteligência humana para gerar reações que constróem culturas, ciência, vidas. Já a cópia é simplesmente um eco. Importantíssimo, claro, mas irremediavelmente dependente do conteúdo, da criação.

O Brasil agora se prepara para um passo histórico na tecnologia de TV no mundo: são os "conteúdos cidadãos". O governo acaba de determinar que os set-top box, que vão ser distribuídos pelas operadoras de celulares aos 14 milhões de lares do bolsa família, tenham o software Ginga com plena capacidade de interatividade. É um passo fundamental! Os aparelhos vão ser entregues como compensação das operadoras aos brasileiros que vão perder o sinal analógico por antecipação. Por isso não haverá custos para os cofres públicos. Com essa imensa plataforma de comunicação que o governo vai criar com a TV digital, ficará disponível o potencial para prestação de serviços via TV, como consulta de saldo do FGTS, contagem de aposentadoria, informações do ProUni, agendamentos para o SUS e muitos outros serviços públicos. Falta apenas colocar os ministérios para programar, o que representa um custo insignificante. A burocracia federal, falando em Ginga, pode aumentar muito a eficiência dos serviços públicos e o atendimento à população. Tudo de graça!

Nenhum comentário:

Postar um comentário