IDAS E VINDAS NO MERCADO DA TECNOLOGIA


Na teoria, o que cria mercados são necessidades, não desejos. Daí a gente assiste ao encerramento da fabricação de celulares LG no mundo todo e fica pensando se o mercado encolheu, se a necessidade de celular está diminuindo.

A tecnologia de consumo ainda não mudou teorias milenares, mas está acrescentando novos perfis na história dos negócios. Se antes geladeiras, vitrolas e máquinas de lavar roupas eram a resposta intuitiva para “tecnologia de consumo”, hoje são apenas eletrodomésticos. Passaram por muitos avanços, mas simplesmente fazem melhor o que sempre fizeram. As tecnologias disruptivas vendidas em massa são cada vez mais pessoais.

Quando o homem chegou à lua, o relógio de pulso era a tecnologia mais sofisticada de uso pessoal. Ou seria o rádio de pilha? Hoje os modelos mais simples de celulares têm capacidade de processamento várias vezes superior ao que os astronautas da Apollo tinham a bordo. E muito mais do que rádio ou relógio.

O fenômeno novo não é um encolhimento do mercado de celulares. Mas um nível tecnológico tão alto e tão acelerado, que apenas duas ou três fabricantes são capazes de concorrer. Tem ainda a imprevisibilidade diante do novo, do inesperado.

A Motorola foi quem “inventou” o celular, colocou no mercado o primeiro aparelho. Será que as pessoas acham muito importante ter um telefone no bolso, para fazer ou receber ligações quando quiser? A resposta foi sim. E o negócio foi crescendo, se expandindo pelo mundo, ganhando concorrentes. O grande desafio passou a ser aparelhos cada vez menores. A Motorola estava indo muito bem até que, no final dos anos 1980, resolveu assumir o projeto Iridium. A pergunta agora era: “-Será que alguns milhares de pessoas no mundo acham muito importante ligar de qualquer lugar da Terra, para quem quiser, inclusive nos locais mais remotos?” A resposta foi não. Essa tecnologia estava baseada na interligação de nada menos que 77 satélites. Os poucos milhares que viabilizariam o negócio teriam de pagar US$ 3 mil por aparelho e US$ 5,00 por minuto de conversa. O prejuízo foi de US$ 10 bilhões e a marca perdeu a expressão que tinha no mercado de celulares. O Iridium foi pensado 12 anos antes de ser lançado. E isso, no ritmo tecnológico atual, é tempo para algumas revoluções acontecerem.

No caso da LG talvez o problema tenha sido apenas uma falta de sorte. Volte algumas décadas no tempo e imagine um mundo inundado por microcomputadores, em sua grande maioria, usando sistemas operacionais Windows. Celular tinha se transformado em outra máquina, onde a função telefone é tão, ou menos importante, do que a gravação de vídeos. Os smartphones precisavam de sistemas operacionais mais robustos e o Google, uma empresa que mantinha o principal aplicativo de toda a Internet, resolve lançar um sistema operacional para celulares. Foi uma experiência nova para eles. O outro de grande performance que existia era o iOS, da Apple, que não compartilha nada com outras marcas. Pouco depois, a criadora do sistema operacional hegemônico no mundo resolve lançar um para celulares. A LG aderiu ao sistema da Microsoft. Isso não lhe parece lógico? Porém, nos celulares, a Microsoft não conseguia convencer. A LG apostou que isso iria mudar, só que não. Mudou a Microsoft.

Os modelos da empresa, que tinha chegado na posição de terceira maior fabricante de celulares do mundo – segundo o site da BBC Brasil – foram perdendo espaço. E nesta semana, depois de seis anos acumulando prejuízos, que teriam chegado a US$ 4,5 bilhões, a LG sai do mercado de celulares. Talvez, daqui a alguns anos, faça como a Motorola e retorne.

Até lá, quantas outras perguntas capciosas terão de ser feitas para o mercado? A Apple achou que todos adorariam ter emogis que falassem com a voz do dono e que articulassem a boca como quem pronuncia cada palavra da mensagem. Quem se lembra disso agora? A definição de som e imagem aumentaram progressivamente, as câmeras por aparelho foram se multiplicando. Até que resolveram colocar o zoom dos periscópios e isso passou a ser um diferencial mais importante do que muitos recursos já instalados.

É um mundo novo sendo inventado em tempo real. Onde tendências piram antes de expirar. São invertidas, subvertidas, a ponto de tornar cada novo negócio uma aposta. E a resposta, será sempre surpreendente. É o que exige investimentos pesados, em um espaço de tempo comprimido, e um esforço de marketing para obter retorno no curto prazo. É até onde alguma visão do futuro alcança. O mercado? Talvez seja feito de desejos, talvez de necessidades. Tanto faz, depende do rótulo que vão colocar. Um, como outro, hoje nascem nos laboratórios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COQUELUCHES DA TECNOLOGIA

O SILÊNCIO INOPORTUNO

QUEM VAI PAGAR PRA VER