GRANDES NEGÓCIOS E OS NOVOS TEMPOS


Toda operação do tipo compra ou venda é um bom negócio. O que demora para saber é se foi o comprador ou o vendedor quem ficou com o melhor lado do negócio. O número em si, o valor em que é fechado, pode ser apenas um detalhe. Muitos outros valores aparecem (ou desaparecem) com o tempo.

Em 1867, quando o Czar Alexandre II decidiu “privatizar” o Alaska, vendendo o território como se fosse uma grande fazenda de gelo, tudo era muito diferente. O Império Russo era amigo dos americanos, ao contrário do que passou a ser 50 anos mais tarde, no domínio bolchevique. A ameaça expansionista vinha da Inglaterra, dona de uma poderosa marinha de guerra. E que já tinha sob seu domínio boa parte do Canadá, vizinho dos americanos e do Alaska. Os russos temiam perder o território para a Coroa Britânica sem nada em troca. Foi esse raciocínio estratégico que moveu também o interesse dos Estados Unidos. Ninguém imaginava os recursos naturais que seriam encontrados mais tarde lá.

Hoje o Alaska é o maior estado americano em extensão, grande produtor de petróleo, tem quase um milhão de habitantes e um PIB anual quatrocentas vezes maior do que foi pago para o Czar. Naquela época, quem poderia supor que inventariam aviões militares, radares, mísseis? Tinha pela frente ainda uma revolução proletária, que tornaria a Rússia a principal ameaça para os Estados Unidos e vice-versa. Por conta disso o interesse estratégico naquela terra continua superior a todas as riquezas produzidas ali. A compra do que era um enorme território isolado e coberto de gelo, hoje é considerada um dos mais bem-sucedidos negócios da história.

No Brasil recente, sucessivos governos têm promovido privatizações. São empresas estatais entregues ao mercado, à gestão privada, à lógica do lucro. Em alguns casos o sucesso é evidente. Em outros, nem tanto. O que parece ser pouco considerado nessas transações é justamente o valor estratégico agregado a muitos desses negócios. É o que salta aos olhos no caso das empresas de informática do governo federal, a Serpro e o Dataprev.

Elas não são territórios nem riquezas naturais. Mas são a localização, a quantidade, a natureza de cada um dos bens do país, quanto rendem, quanto empregam, o que compram, o nome de cada proprietário, quanto tem na conta de cada um deles, quanto está na sua conta e muito mais. Se tudo isso até agora esteve nas mãos do governo – destinatário natural dessas informações – mudar depois de tanto tempo parece uma imprudência. Nas mãos de uma empresa privada os funcionários que trabalham com esses dados veem e vão. A vulnerabilidade dos sistemas aumenta, porque eles concentram cada vez mais informações.

Claro que tem um jeito de preservar o sigilo desses dados. Mas, nas mãos de uma empresa privada, esse jeito tem que caber no orçamento. Se, estando por aqui mesmo, esse risco já é algo muito sério, o que dizer de internacionaliza-lo? Acima das conjeturas, o fato é que a privatização das duas estatais ficou para o próximo governo. Que pode ser o mesmo, porém, com outro Congresso, outro contexto político. Por enquanto o argumento é de que estão sendo feitos estudos técnicos sobre a desestatização. A previsão é de que o controle dessas empresas estará acessível ao mercado no primeiro trimestre de 2023. Leia-se “leilão”. Ora, mas já se sabe o que os estudos técnicos vão concluir sobre a desestatização dessas empresas em particular?

No Brasil o tema empresas estatais é algo que não entra em um debate técnico. De um lado corporações classistas só pensam em manter um emprego efetivo. De outro, burocratas só pensam em fazer caixa para o governo que representam. E declaram ser impossível uma gestão competente nessas empresas. Talvez a questão seja cultural. Qualquer empresa, estatal ou não, exige transparência para uma boa gestão. E essa exigência não combina com as regras atuais da política. Vai que a moda pega, podem pensar em levar a transparência para todas as instâncias e níveis de governo. Para muitos, melhor nem pensar.

Nos casos específicos de empresas como Serpro e Dataprev, altamente estratégicas, as restrições são intransponíveis. Em recente audiência no Congresso, o Procurador da República, Alexandre Assunção e Silva, foi taxativo: é contra a lei. Para ele, a privatização dessas empresas fere a Lei de Segurança Nacional e a Lei Geral de Proteção de dados. “-Nos Estados Unidos o setor privado atende muito bem o governo”, dirão alguns. Mas o país ocupa uma posição absolutamente singular. É a nação mais rica do mundo, a maior potencia bélica do planeta, a democracia mais antiga e o maior mercado consumidor. E ainda contam com o FBI, a CIA e a NSA. Não convém tentar espertezas. Se pensar em vender uma fazenda de gelo para eles, que se torne um bom negócio. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COQUELUCHES DA TECNOLOGIA

GUERRA FRIA 2.0

O SILÊNCIO INOPORTUNO