LEVANTA, DÁ A VOLTA POR CIMA... E GINGA



Ela está voltando a ser um momento quente no inverno brasileiro. É a SET Expo, feira e congresso que ferveram São Paulo nas edições da década passada, com a chegada da TV digital aberta. Nas últimas edições vinha apresentando um relativo esfriamento, por causa da concorrência do broadband. A banda larga aumentou continuamente a capacidade, trazendo uma Internet com formatos sempre inusitados, com muita diversificação. O modelo de negócios da TV aberta foi envelhecendo.

O sucesso do OTT, que bateu de frente com a TV aberta e também com os canais por assinatura, ironicamente, pode ter sido também um dos fatores da previsível retomada das emissoras. Filmes e séries fizeram o consumidor de audiovisual redescobrir o aconchego da sala de casa, o prazer de mergulhar em enredos interessantes ilustrados pela sétima arte. O televisor, como hábito, está reconquistando lugar nos lares. De tal forma que até a festa do Oscar vem perdendo parte de seu brilho. A TV traz as melhores produções para o espaço íntimo que o público está resgatando, aí mesmo, no sofá de casa.

Ficou a dica! A combinação de broadband e broadcast era tudo que o público queria, mas não sabia. Aplicativos como Globoplay, TV SBT, Cultura Digital e similares avançaram na experiência dessa combinação. E agora é a “TV conectada”, ou híbrida, que deve começar a reinar, e seguir firme até o absoluto domínio, como principal entretenimento da espécie humana.

O conceito de TV conectada começou a se expandir a partir da ponta de recepção, com os televisores smart, que têm conexão com a Internet. E conquistou uma forma final na ponta de transmissão, nas emissoras de TV aberta. A TV conectada é capaz de registrar automaticamente hábitos e preferências de milhões de telespectadores. E ainda, num mesmo intervalo comercial, pode enviar diversos anúncios diferentes ao mesmo tempo. Cada telespectador vai ver apenas o anúncio que foi direcionado ao perfil dele.

No Brasil, um antigo conhecido – digitalmente falando – da TV Digital reaparece mais uma vez, como solução 100% brasileira, para nosso sistema evoluir: uma nova geração do middleware Ginga vai conectar broadband ao broadcast, de onde ele é nativo.
  

PARCEIROS INTERNACIONAIS PROCURAM OS MELHORES NO BRASIL


Um dos destaques da SET Expo 2019 vai ser a presença do instituto alemão Fraunhofer, um centro de pesquisa voltado para sistemas de microeletrônica e tecnologia da informação (TI). O Fraunhofer desenvolveu, dentre outros, o sistema de áudio imersivo 3D MPEG-H, que transforma o som num “objeto”, dentro do qual você se acomoda como se estivesse no local onde tudo foi gravado.

Assim, a partir de uma única caixa de som, como aquela embutida na própria TV, o telespectador tem a sensação de que o som vem de várias direções. Numa cena de ação, por exemplo, o som do helicóptero vem do teto da sala, o personagem perseguidor vai ser ouvido atrás do telespectador, lateralmente chegam os respectivos sons dos ambientes mostrados em cada lado da tela. Na transmissão de um jogo de futebol o telespectador pode baixar bastante o som da voz do narrador e aumentar o som ambiente do estádio.

O sistema MPEG-H vai passar a ser uma opção de som 3D na transmissão de TV digital aberta no Brasil, que continuará tendo como padrão o sistema de som HE-AAC. O instituto Fraunhofer vai montar um estúdio para demonstração no estande do Fórum SBTVD. E convidou a EiTV para integrar a experiência.  Equipamentos de hardware e software da marca vão ser usados na codificação de sinal. Rodrigo Araújo, diretor comercial da EiTV, disse que “o instituto Fraunhofer nos procurou em função da nossa identificação com a pesquisa e o desenvolvimento da TV digital, gerando inovações.” A EiTV é uma startup formada por ex-alunos da Unicamp que desenvolve software e equipamentos para emissoras de TV compatíveis com o padrão da TV digital aberta adotado no Brasil.

Um dos exemplos recentes dessa atuação inovadora foi a participação oficial no desenvolvimento dessa última versão do middleware Ginga. Como empresa membro do Fórum SBTVD, a EiTV envolveu seus engenheiros diretamente na concretização desse passo histórico da televisão. A experiência da empresa no projeto foi importante para alcançar soluções, tanto para o mercado de fabricantes de televisores como para sistemas voltados à transmissão, para instalação nas emissoras.

A empresa brasileira vai lançar outras soluções na SET Expo 2019. O EiTV Audiolink é uma das novidades voltadas para redações de TV. Trata-se de um software que permite utilizar o sinal de transmissão para agregar um sinal de comunicação com as equipes de externa. Como a banda do sinal de TV digital é mais do que suficiente para a transmissão da programação, o espaço que sobra pode ser usado para ligar a redação às equipes de externa. As conversas são encriptadas de ponta a ponta, evitando o risco de vazamentos. O repórter poderá captar o sinal por meio de um aplicativo para Android ou receptor Down Converter Box.

Para as centenas de emissoras brasileiras que já possuem o implementador de funções EiTV Playout, o Audiolink é uma atualização do sistema, sem a necessidade de um hardware adicional na central de transmissão da emissora.
  

SURPRESAS PODEM ACONTECER NESTE ANO


A partir deste ano a SET Expo tende a retomar um protagonismo cada vez maior diante da cadeia de valor do mercado de TV aberta brasileiro. Esse mercado deve conquistar um novo status com a implantação de sistemas de TV conectada. Tanto que a mídia para divulgação do evento, neste ano, está bem maior, se comparada com o que se viu em eventos anteriores.

Quem pode surpreender neste ano é a TV Globo que, ao inaugurar, no mês passado, a maior área para produção de conteúdos na América Latina, anunciou a implantação da TV conectada em sua rede aberta. Durante a SET Expo 2019 ela pode iniciar alguma campanha para anunciar as novidades tecnológicas que vão dar origem a um novo modelo de negócio na TV brasileira. Nenhum comentário foi feito até agora. Mas tanto os telespectadores, como os anunciantes, precisam entender como o novo sistema vai funcionar. Só assim vão perceber as novas potencialidades da TV aberta, enquanto mídia. Vale lembrar que a Globo foi a empresa que atuou mais efetivamente no desenvolvimento dessa última geração do Ginga, voltada à TV conectada.

A SET Expo 2019 promete muito! É o principal evento do continente voltado para TV, novas mídias e entretenimento. E esse segmento empresarial de peso para a economia brasileira está novamente vivendo um momento de mudanças. Tudo isso representa um conjunto de fortes atrativos para empresas, universidades e centros de pesquisas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COQUELUCHES DA TECNOLOGIA

GUERRA FRIA 2.0

O SILÊNCIO INOPORTUNO