DEPOIS QUE ACONTECE, TUDO TEM LÓGICA


Seria um bom momento para juntar os perrengues pelos quais está passando a Simba Content e concluir que “isso era evidente”. A empresa é uma joint venture que reúne a RedeTV!, o SBT e a Record e foi criada para dar mais peso a essas redes em negociações do setor.
Até agora essa união estratégica rendeu muito menos do que o pretendido para as emissoras e muito mais do que o previsto para os advogados. Um prato cheio para os arautos do apocalipse, aqueles que gostam de dizer que “estava na cara que iria dar nisso”. Mas a saga da Simba mais parece uma rica experiência empresarial que, por enquanto, está longe de ser um fracasso.
No início da articulação a Simba enfrentou a acusação de cartel. A proposta foi aprimorada com o compromisso da produção de conteúdo e outros itens no objeto da nova empresa.
Com a nova legislação da TV Digital a empresa viu uma brecha para negociar um preço para exibição de suas três redes no line up das TVs por assinatura. Agiu profissionalmente e contratou um especialista em grandes negociações. A estratégia adotada foi contundente. Estabeleceu-se um valor de R$ 15,00 por assinante e fecharam os sinais da Simba nas operadoras, até que concordassem em pagar o valor.
De imediato, o resultado prático foi perda de audiência, negativas por parte de órgãos reguladores e de defesa do consumidor e um solene silêncio da preferência pública. Mas o aparente fracasso não se confirma ao aprofundar a análise.
A primeira evidência de sucesso está na coesão da aliança. Afinal, veio a tempestade e não houve pânico na condução do barco. No mais, as emissoras ousaram, se colocaram publicamente e hoje conhecem muito melhor o mercado onde atuam. Sem ousadia fica muito difícil inovar. E as três redes se lançaram a uma experiência inédita no Brasil. O retorno financeiro do empreendimento já começa a aparecer.

CONTINUA NA MESA

Diante das dificuldades a Simba demitiu o Executivo especializado em negociações e adotou outra estratégia. Há alguns meses conseguiu fechar um primeiro contrato, com a Vivo TV. No lugar dos R$ 15,00 ficaram “alguns centavos” por assinante. É muito pouco, mas já é algum retorno, sem dispender nem um real a mais. Com valores da mesma ordem, mais recentemente foi fechado outro contrato, com a America Movil (Claro, Net e Embratel). José Felix, presidente da nova cliente da Simba, falou sobre o assunto durante esta semana no Painel Telebrasil 2017, um evento realizado pela Associação Brasileira de Telecomunicações. Para Felix, a Simba “caiu na realidade” e ambas as partes abriram mão de premissas iniciais.
Regateou um pouco, ao dizer que não sabe por quanto tempo vai manter o acordo: “-um sinal que está no ar não tem que ser pago”. A afirmação é lógica... ou não. No sofá, berço esplêndido do telespectador, a troca de controle remoto é uma operação demasiadamente complexa e penosa, que não se encaixa no hábito de zapear. Tanto é que, por essa mesma lógica, as operadoras de TV por assinatura pagam para as emissoras Globo pela exibição do sinal. Não querem correr o risco de ver o telespectador se acomodar com o controle remoto do sinal aberto nas mãos, só para ver a campeã de audiência.
Porém, se as emissoras em questão, de fato, caíram “na realidade”, é algo que vai se revelar em outra situação. Elas já entenderam que as operadoras por assinatura não vão render o suficiente para dobrar o faturamento de cada uma delas. Falta agora despertarem para o mercado de novos conteúdos, cuja produção foi um compromisso assumido desde a fundação da Simba Content.
A expansão na produção de conteúdo ainda não vê limites. Ao contrário, o que está acontecendo são inversões antes descabidas para o contexto do audiovisual. Iniciativas inesperadas de produção, como no caso da Netflix, estão tornando o investimento em TV mais atraente do que no cinema. É o que se depreende dos rumos tomados por alguns produtores e atores de grande sucesso.
E, mais uma vez, é necessário lembrar, como em outros artigos deste blog, a variável tecnológica. O sinal da TV aberta não tem mais diferença em relação ao que chega pelo canal pago. A Internet vai continuar crescendo e as operadoras de telefonia estudam novos meios de recuperar faturamento, depois da queda imposta pelos aplicativos OTT. De repente as teles resolvem “meter a colher” no mercado de produção de conteúdo. Talvez para diferenciar sua oferta de TV por assinatura. Uma briga que só vai fazer aumentar as perspectivas para os produtores de conteúdo. Esta é a grande realidade.

SE AINDA PARECE POUCO...

Antes mesmo de constituírem a Simba, RedeTV!, SBT e Record se juntaram num outro empreendimento. Fizeram um acordo com a GfK alemã para trazer ao Brasil uma medição de audiência mais precisa e mais qualificada do que a do Kantar Ibope Media.
As negociações começaram em 2013 e ficou estabelecido que a empresa estaria apresentando seus relatórios de audiência a partir de maio de 2015. Como parte do acordo as emissoras iriam investir, juntas, mais de R$ 300 milhões.
A data estabelecida foi apenas o início dos problemas. Segundo representantes das emissoras a GfK demorou um ano além do prazo para começar a medir audiência. As metas de qualidade do serviço, como a porcentagem de aparelhos medidores ligados permanentemente, não teriam sido cumpridas e reclama-se até do painel de medição, que não reproduz com fidelidade o perfil sócio econômico da população brasileira. Outra reclamação é de que, no geral, os números apresentados pela GfK não eram significativamente diferentes do que relata o Ibope.
As emissoras teriam pago apenas R$ 40 milhões do total combinado e a gota d’água para o rompimento teria sido uma cobrança extrajudicial de pagamento por parte da GfK. A Record foi a primeira a entrar na Justiça. O Juiz Rogerio Marrone de Castro Sampaio já deu prazo para o instituto pagar quase R$ 28 milhões para a emissora. A expectativa é de que, com as ações a serem ajuizadas por RedeTV! e SBT a GfK tenha que pagar mais de R$ 100 milhões a título de indenizações por não cumprimento de contrato e devolução de valores pagos sem a devida contraprestação de serviços.
Por conta dos entreveros a GfK deve encerrar seus negócios no Brasil. Na última quinta-feira foram demitidos 149 funcionários, praticamente todo o efetivo da companhia.
É mais um desafio a ser enfrentado neste ano pelas redes acionistas da Simba. Fica a lição de que, o desejo de ver números diferentes de audiência, passa mais por investir na produção de conteúdo do que nas metodologias de medição.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COQUELUCHES DA TECNOLOGIA

GUERRA FRIA 2.0

O SILÊNCIO INOPORTUNO