O APAGÃO EM BRASÍLIA


Quer dizer que, a partir de agora, quem quiser assistir à TV em Brasília ou em outros nove municípios do entorno, só conseguirá usando um aparelho com sinal digital. Precisa explicar logo porque, nesses nossos dias, falar em “apagão em Brasília” pode virar uma grande confusão. O termo apagão foi quase um palavrão que inventaram em 2001, quando o Governo Fernando Henrique anunciou que a energia elétrica produzida no país não era suficiente para atender a todos. Uma desmoralização que pode ter sido decisiva na eleição do ano seguinte, vencida pela oposição, com Lula.
O apagão de agora, ao contrário da concepção inicial do termo, é uma coisa boa. Significa que a população daquela região do Brasil tem o melhor sistema de TV aberta do mundo. E que, as frequências ocupadas por sinais analógicos de TV vão servir para a expansão da telefonia móvel.
Fica a dica para os adeptos do “turismo de protesto”. Quem for a Brasília, numa dessas excursões que acaba em acampamento em frente a prédios públicos, nem adianta levar aqueles televisores com tela 3 x 4, de 5 polegadas, porque não vai pegar nada. Em alguns anos, corre o risco de entrar na frequência de alguma operadora. Não vai decodificar nada. Mas já pensou se confundem com um grampo?
O apagão em Brasília encerrou o sinal analógico de TV que chegava a 1,26 milhão de domicílios naquela região. O sinal das 13 geradoras locais, que é distribuído por 25 canais, agora só vai ao ar com a tecnologia digital.

UM SIGNIFICADO ESPECIAL

Essa mudança, ao acontecer em Brasília, tem sim uma força simbólica. Principalmente nesse momento da História nacional, em que a programação da TV inclui prisões de ex-governadores. O sinal digital representa mais um passo em direção a uma grande mudança que vai acontecer no país todo e que tem poucas chances de um escândalo envolvendo dinheiro público. Porque, além da nova tecnologia que vai para o ar, no Brasil a TV digital trouxe também uma nova tecnologia de gestão.
A principal característica desse novo modelo de gestão foi a posição de mobilizador que coube ao Governo Federal. As ações ficaram por conta de agentes privados de toda a cadeia de geração de valor, articulados entre si. Emissoras, fabricantes de televisores, de equipamentos de transmissão, produtores de softwares e o mundo acadêmico participaram ativamente de todo o processo. Hoje está confirmado que a escolha do padrão japonês, otimizado com tecnologia brasileira, foi um grande acerto. Aliás, foi o primeiro entre muitos acertos. A criação do Fórum SBTVD, onde os agentes dos vários segmentos se encaram para discutir todas as questões, deu transparência ao processo. Cada representante sabe que vai ter que defender seus pontos de vista diante de todos os outros interessados. E que vai ser difícil ignorar os argumentos técnicos.
Tudo bem, houve vários atrasos nas fases de implantação e vai haver outros. Tentou-se voltar atrás em algumas decisões. Mas o principal é que as coisas acabam acontecendo do jeito que tem que ser. A possibilidade de algum escândalo com dinheiro público é pequena por falta de alguns requisitos chave. Afinal, as decisões são transparentes e o dinheiro público quase não entrou nessa transição. A liberação das antigas faixas de frequência para as operadoras móveis é um caso emblemático. O modelo para antecipação, então apresentado pelo Governo, fez com que as compensações para as famílias de baixa renda acontecessem diretamente das empresas para os beneficiários, sem interferência do Poder Público.

MAIS ACERTOS DO QUE ERROS

Dentre as falhas a serem citadas no caso de Brasília, ainda não foram entregues 63 mil conversores digitais para famílias de baixa renda. Mas a boa notícia é que mais de 310 mil já chegaram aos inscritos em programas sociais. A promessa é atender os quase 400 mil beneficiários até o final do ano.
Uma forma bem sucedida, para uma finalidade muito vantajosa. Ao final desse processo de transição, a tecnologia digital de TV vai disponibilizar som e imagem de alta definição, sem interferências, para a grande maioria dos brasileiros. Para aqueles que moram em regiões mais isoladas, o upgrade da TV vai depender de outras mudanças.
Enquanto isso, a maior parte do Brasil vai contar ainda com uma plataforma de comunicação muito eficiente, integrada ao mesmo sistema de transmissão do sinal de TV. É a plataforma Ginga, capaz de distribuir serviços públicos e privados gratuitamente, ou sob demanda, através de qualquer televisor comum. O telespectador vai poder interagir, manifestar opiniões e tomar decisões, tudo através do controle remoto do televisor. No Brasil, este será o grande diferencial da TV digital, com potencial de exportação para muitos outros países, que adotaram o sistema nipo-brasileiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COQUELUCHES DA TECNOLOGIA

GUERRA FRIA 2.0

O SILÊNCIO INOPORTUNO