sexta-feira, 10 de julho de 2015

UMA EMPRESA, MUITAS HISTÓRIAS


O possível é só uma parte da matéria prima. Bem combinado com o absurdo, interligado através de delírios, basta multiplicar pelo coeficiente de inteligência do ambiente para se chegar à fórmula geral da inovação. Se você prestar atenção vai notar que, excetuando o possível, todas as outras varáveis da equação só se encontram na cabeça das pessoas. E mesmo assim, precisa provocar bastante.

Vendo dessa forma, o grande desafio para viabilizar uma empresa inovadora está na melhor gestão do capital humano. É exatamente o que a EiTV aponta como sua principal estratégia ao longo desses 10 anos de história corporativa. "O interesse com as áreas de conhecimento mais trabalhadas aqui é o ponto de partida para quem quer fazer parte do nosso grupo", afirma o engenheiro que coordena a formação de equipes: "-Havendo interesse pelo que pesquisamos e produzimos, a empresa se transforma num parque de diversões, o reino encantado onde o profissional terá as palavras e as ideias mágicas." O passo seguinte é avaliar a capacidade de trabalhar em grupo: "-Senão não pode ser chamado de capital humano. O conhecimento isolado é um atributo empregacional apenas. Quando compartilhado se conecta, aumenta para todos e para cada um, fica disponível para a empresa. Daí sim, forma um capital".

Do lado da empresa a missão é manter o "ping" alto entre todos e "rodar", a cada dia, uma "tela" mais interessante do que a outra.  Por isso, afirma o engenheiro - um dos mais antigos da empresa - motivar as equipes e dar todas as razões para permanecerem aqui é a parte mais desafiante na gestão do capital humano. Precisa criatividade na elaboração dos projetos, equilíbrio e sensibilidade para a distribuição das funções, mas nada disso substitui um padrão de remuneração superior ao das grandes empresas. "Ora, estamos falando de investir em capital humano. E todos aqui são muito bons pra fazer contas", conclui.

UM BANDO DE APOSENTADOS


A média de idade entre todos os trabalhadores da EiTV não chega a 38 anos. Se considerar apenas as equipes de especialistas, fica nos 30. Mesmo assim, a realidade que vivem é muito próxima dos aposentados: só fazem o que gostam, não se preocupam mais em procurar emprego e vivem no futuro. A metáfora não é só piada não. Tem que haver uma parte substancial de realidade nesse cenário. Se você acredita que todos trabalham porque gostam, não faz sentido exigir um atestado médico quando um especialista liga pra avisar que pegou gripe e vai faltar. Se um outro avisa que hoje vai trabalhar de casa, por algum motivo pessoal, fique à vontade. E se a esposa se atrasou e é ele quem vai ter que buscar o filho na escola, vá tranquilo. Nada disso é controlado. Todos "são a empresa" (lembra-se?), por isso se entendem, dentro de um interesse comum. Essa dinâmica é supervisionada naturalmente, cuidando para que seja respeitado o limite de cada colega, para que não haja sobrecarga, nem decisões unilaterais.

O resultado desse clima começa por um ambiente de trabalho onde nunca se vê um profissional gritar com outro. Há discordâncias, mas sempre são tratadas dentro dos limites da boa convivência. Há temperamentos que levam à concorrência interna, com outros colegas, mas jamais com perfil predatório. No final das contas, há um capital humano de peso, coeso, com várias situações onde surgiram oportunidades de escolha no mercado, e a opção foi permanecer na EiTV.

OS NEGÓCIOS VÃO BEM, OBRIGADO!


Para quem está acostumado ao padrão funcional das empresas em geral, o esquema de autonomia da EiTV tem bastante de "absurdos e delírios", o que só contribui para torna-la uma empresa realmente inovadora. Isso exige uma abordagem diferente do mercado, ajustada à realidade do capital humano acumulado. "-Se não trouxer desafios pra casa, essa turma não sossega", afirma o coordenador das equipes: "-Na ponta da definição dos projetos, temos uma condução visionária, que enxerga grandes oportunidades no mercado, dentro do perfil das nossas equipes." É o elo que fecha um ciclo produtivo competitivo, capaz de produzir primeiro, com qualidade pra liderar.

Nesses 10 anos da EiTV a experiência mostra que o caminho do sucesso é simples. Difícil é ter a determinação de segui-lo, mantendo irrestrito respeito às regras, que garantam total respeito às pessoas. São atitudes semeadas dentro de casa, que se multiplicam entre todos os stakeholders, criando a "rede EiTV de inovação". Esta é a presença pretendida no mercado. Cada grande inovação chega exigindo mais inovação, nas aplicações, nos usos, no atendimento de necessidades setoriais. É aí onde a EiTV vai estar atuando. 

Esta página encerra a série de seis artigos seguidos, onde apresentamos a essência da história de uma década da EiTV. Praticamente não se falou em datas, nomes ou eventos comemorativos. Foram situações do cotidiano, momentos quase íntimos de pessoas que vivem sonhos e desafios. Afinal, é nisso que a EiTV acredita: pessoas, sonhos e desafios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário